(SONS)

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

E um copo d'agua

 
Numa noite quente saio sem celular,
   carteira nem documentos.
Levo só uns trocados no bolso que me tornam gente,
homem que trabalha
para o afogamento semanal.
A piscina é funda, funda mas continua
                 sendo uma ridícula piscina.

           Se afogar nela é tão imprestável
  quanto, numa noite quente de Domingo,
                          falar em línguas nessa igreja de deus
                                                    com D minúsculo.

   Moça do x-tudo, faça o favor de me trazer depressa
um amor sem pagar completo e sem passas.
Um amor sem barreiras em São Cristóvão,
em cima de muros ou em escadarias verde e amarelas.
           
               Traga um peito suspirante que não seja mulher
                                      de horizonte nas sobrancelhas,
                                      nem de olhos nos calcanhares de estátuas gregas,
                     pois sou o ponto fraco de Aquiles de corpo inteiro.

      Sou o ponto fraco daqueles de corpo inteiro.

Um comentário:

  1. Belíssimo texto!
    Sempre bom te ler,
    abraço!

    http://krolrice.blogspot.com

    ResponderExcluir

 
BlogBlogs.Com.Br