(SONS)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Chuva de verão


Faz tempo que não falo de tristeza.
Revendo papéis antigos noto a inconstância de talento.
Eu sou como a sujeira do telhado que a chuva de fim de tarde
não limpa. Demoram-se suspiros o pular de cada frase
e pontos de cada síncope depressiva.
Nenhuma nota soa sonante no violão,
nenhuma palavra escreve o que eu quero dizer. O jeito é sair!

Aqui fora reencontro os meus amigos,
o vento que balança os dias mal vividos e as ruas largas
e sem rumo molhadas pela saliva das nuvens.
Me vejo pequena sombra expectadora do entardecer,
sofrendo a dor da ilusão de dor. Afinal, sair não me valeu!
Me acompanha ainda alguma palavra que não escreve
o que quero dizer. O jeito é sair de mim!

2 comentários:

  1. Oi!
    Sei que tem pouco tempo que vc está me seguindo mas vim te avisar que o rosa acabará e estou com um novo blog...te convido pra me visitar e se gostar para seguir-lo também...
    o novo endereço é: http://guerradosmundosleka.blogspot.com/

    bjs e desculpe o inconveniente!

    ResponderExcluir
  2. Bah,agora tu pegastes pesado comigo.
    É bem assim...
    adorei as ruas molhadas com a saliva das nuvens...chuva de verão.Isso é poetizar!!! Parabéns man!!

    ResponderExcluir

 
BlogBlogs.Com.Br